quinta-feira, dezembro 7

Ensurdecedor

O coração palpitando cada vez mais forte e rápido como um tamborim ensurdecido. A respiração descompassada e a dúvida de ter desaprendido a respirar. Algo inflava a ponto de explodir e talvez até explodira dentro do seu corpo. Por fora uma imagem distorcida do que acontecia por dentro. Seus olhos choravam um choro sem lágrimas e suas mãos podiam tocar o intocável. Seus desejos gritavam sem exalar nenhum som impulsionando batidas eletrônicas. Era como se pudesse saber o que eu sei e não sabe. E o olho de Hórus permanecia ali...

2 comentários:

Me disse...

Vc tem alma e audição de músico! Um abraço, Aline

F. S. Júnior disse...

estes revoluções que nos acontecem em silêncio nos momentos mais estranhos são cheias de sensações assim, arrebatadoras... gosto da forma como você constrói os sentimentos... beijos