sábado, março 20

Pedra, papel e tesoura.

Coragem. Penso assim e é assim que trêmula vago por entre esse caminho abandonado. Coragem, é a palavrinha presente na ausência do meu querer. E eu já não sei mais quem eu sou. É como se um buraco estivesse aberto bem na minha frente, e eu meio bamba para frente e meio torta para trás, no quase entre me afundar e permanecer de pé. E quando é que eu soube? Dia após dia degusto essa minha inquietação interior, e dia após dia tento dia após dia mais um dia após outro dia ir esquecendo que o dia depois desse dia me fará esquecer. E vou seguindo, lembrando e esquecendo de mim mesma, de quem é que eu saiba que eu sou. Tento, mas não consigo, permaneço angustiada mesmo parecendo serena. O meu retrato é o espelho patético da imagem que penso ser adequada pra uma pessoa sã. E quem é que eu quero enganar?

2 comentários:

Stronda disse...

nunca um texto definil tão bem o meu atual estado.é como se vc tivesse entrado no meu coração e decifrado cada particula incompreensivel pra mim.Lindo texto...

Mergulhe disse...

Nestes estalos de consciência que se é.